Prefeitura Mun. de Jaguariaíva - História

Dados Históricos de Jaguariaíva

Existem registros de que no século XVII, bandeirantes paulistas adentraram o território de Jaguariaíva, porém a sua formação inicia-se quando nesta região passavam tropas vindas do Rio Grande do Sul em direção a Sorocaba, através do Caminho de Viamão. Sua origem remonta a ocupação de seus campos usados como pouso para tropas, sendo a principal delas a Fazenda de propriedade do Coronel Luciano Carneiro Lobo, as margens do Rio Jaguariahyba. Homem visionário, o Coronel tornou-se o centro do esforço político para instituir uma Freguesia no local, que criada em 15 de setembro de 1823, por determinação do Imperador Dom Pedro I, ficou na letra do Decreto por muitos anos, por não atender os requisitos necessários a consolidação da Paróquia. Até a sua morte, ocorrida em 1842 , Luciano Carneiro Lobo apoiado por sua segunda esposa D. Isabel Branca e Silva, recorreu inúmeras vezes ao Bispado de São Paulo afim de conseguir a provisão para edificar a capela e a Igreja Matriz em sua Fazenda, o que foi concretizado após 1860, em terreno doado pela viúva do Coronel.

 Logo em seguida, com número crescente de pessoas nas proximidades da Igreja, a Freguesia de Jaguariahyva foi elevada a condição de Vila, no dia 24 de abril de 1875 e, somente nesse momento, conquista sua emancipação política em relação a Castro. Em 1892, já no período republicano do Brasil, Jaguariahyva alcança definitivamente sua autonomia política sendo elevada a categoria de Município através da Lei n° 15, de Maio de 1892.

A última data que representa um grande marco histórico para Jaguariaíva é sua elevação a condição de Cidade, o que ocorreu no dia 05 de Maio de 1908, pela Lei n° 811.

Por mais de meio século a população comemorou como data festiva local o dia 05 de maio, onde eram realizados shows com artistas renomados nacionalmente, desfiles cívicos, escolha da Rainha do Município, Sessões Solenes na Câmara Municipal, Bailes entre outras atividades culturais e recreativas. Em 2005, a Lei Municipal n° 1636 alterou a data comemorativa do aniversário para o dia 15 de Setembro, que celebra a elevação da então Fazenda Jaguariahyva a condição de Freguesia, a exemplo de Ponta Grossa que na mesma data também foi concedida a elevação a Freguesia.

Desenvolvimento de Jaguariaíva

A Ferrovia chegou em Jaguariaíva por volta de 1902, impulsionando o crescimento da parte baixa da cidade, tornado-a o centro comercial. A partir daí outros setores se desenvolveram e a industrialização começou a tomar as primeiras formas.

Jaguariaíva foi sede de um frigorífico comandado pelo grande empreendedor, o Conde italiano Francesco Matarazzo, que viu a oportunidade de expandir seus negócios na região que possuía a combinação perfeita: criação de porcos que garantiam matéria-prima abundante, água para a geração de energia e linha ferroviária para o escoamento da produção. As obras das IRFM em Jaguariaíva iniciaram-se no final da década de 1910, prolongando-se pela década de 1920. Além do frigorífico, que contava com armazém e escola, também foi construído um palacete, local que serviria de pouso quando o Conde Francesco estivesse de passagem pela sua Indústria em Jaguariaíva. Em 1964, o frigorífico Matarazzo foi transformado em Tecelagem e, no início dos anos 80, foi vendida para a Cianê (Companhia Nacional de Estamparia).
Atualmente, o local onde funcionava o frigorífico e a tecelagem, chamado de “Complexo Matarazzo” de posse da Prefeitura Municipal, deu lugar a vários empreendimentos empresariais (Marza, RA Modas), ao SENAI/SENAC, a Escola Municipal Maria de Lourdes de Oliveira Taques e, em parte dele, funcionam diversos setores da própria Prefeitura. Em 2007, foi aprovada a criação do Museu Histórico Municipal Conde Francisco Matarazzo, no antigo Palacete.

 
 





e-max.it: your social media marketing partner